FOTO GOOGLE

Devo ter ficado uns vinte minutos olhando para o word em branco, antes de desistir e chegar até aqui. Deve fazer uns três meses desde que escrevi pela última vez. Mas aos poucos, a minha ficha vai caindo, e hoje, depois de passar o dia todo enrolada no edredom, assistindo filmes e ouvindo o barulho da chuva la fora, me deu uma vontade imensa de colocar pra fora essa confusão aqui dentro. Mas, percebi que não importava por quanto tempo eu ficasse aqui, tentando ligar palavras bonitinhas pra escrever um texto qualquer.. seria em vão. Foi ai que deixei a cabeça e o coração livre.

Quando eu tinha 15 anos, deixei minha cidade natal com uma mochila nas costas para morar no interior com a minha irmã. Escola nova, amigos novos, e problemas novos. Ingenua, acreditei que deixando tudo pra trás, as coisas seriam diferentes, as pessoas me aceitariam e eu poderia ser eu. Quatro anos se passaram, e, eu sempre me culpei por ter saído de la. E agora eu to aqui. Pensando nas coisas que eu vou sentir saudade. 

O lanche daquele carrinho perto da faculdade é maravilhoso. Ja falei sobre ele? Comi ontem pensando quando vai ser a próxima vez que vou encontrar alguém que faça um tão bom quanto. Vou sentir saudade, ah vou. Sabe aquela igreja no centro daquela -quase- cidade? Sim, aquela que bate o sino de hora em hora? Sim, vou sentir falta também.Tenho certeza que hora ou outra vou sentir falta de correr na minha praia favorita, perto da minha antiga casa no litoral. Vou sentir falta da minha primeira escola. Da minha melhor amiga. Até do caos que fica Ubatuba durante as férias e feriados. Vou sentir saudade do meu quarto, todo bagunçado. Das minhas horas pedidas, das vezes que eu tive que correr atrás do ônibus do trabalho. Ah! O trabalho. Vou sentir saudade até daquela arrogante da secretária. Quantas risadas eu pude dar, quantas brigas eu arrumei, quanto problema eu resolvi.. Sou grata por ter tido a oportunidade de passar esse tempo por lá. Pobres colegas.. Faltam 14 dias, para tudo mudar, e eles nem se quer sabem!

Ah, mãe.. me perdoe.  De verdade, me perdoe. Talvez você só entenda em alguns meses, mas.. eu sei que um dia vai entender.

 

Pois bem.. me despeço todos os dias. Hoje me despedi da chuva. Amanhã, vou me despedir do cara da luz. É, aquele senhorzinho que vive reclamando que nunca tem ninguém em casa para ele trabalhar e coletar os dados. Na terça, posso dar bom dia ao vizinho, que ja me salvou N vezes nas minhas horas em atraso. Na quinta, posso agradecer ao lixeiro por sempre levar tudo e não deixar as coisas jogadas na calçada. E assim, eu vou vivendo por duas semanas. Aproveitando cada segundo aqui, uma vez que não sei quando vou voltar. Não tenho medo, nem dúvida alguma. Do outro lado do portal, tem uma outra vida me esperando. Tem alguém para segurar a minha mão, rir das minhas palhaças, e me proteger dos meus medos. Pode ser que ainda, nada mude. Que algumas pessoas não gostem de mim, que eu não tenha todos os problemas resolvidos só porque mudei de endereço.. mas.. agora, é diferente. Duas semanas, um avião, algumas horas, e então, welcome, new life. 

 
 
7 Comentários

Você também poderá gostar de: