bairro

Olá pessoal, tudo bem? Eu não tenho feito vídeos pro blog por vários motivos. E um deles é a edição. Ainda estou enrolada e com alguns problemas, mas está no projeto fazer mais vídeos para vocês!

Ontem eu resolvi filmar um pouquinho do lado de fora da casa. Mostrar pra vocês onde eu moro, explicar algumas coisinhas e a minha rua. Eu peço desculpas pela tremedeira em alguns momentos, na câmera fica tudo lindo, mas quando passa pro computador que a gente vê a diferença né? Mas, é errando que se aprende e eu prometo que nos próximos vídeos vou tomar mais cuidado com isso. E a edição, eu já falei, to apanhando mas to me dedicando.

Tentei fazer o vídeo super mini, tipo 5 minutos, mas com a introdução e as partes que tem as montagens com a rua deixaram ele um pouquinho maior. Não falo o vídeo todo, mas não deu pra cortar mais, por causa de algumas informações que eu queria passar. Espero de coração que não tenha sido um fiasco, e que vocês gostem! NÃO ESQUEÇA DE COLOCAR EM HD!

httpv://www.youtube.com/watch?v=z-s-8USgvyY

Me contem nos comentários se gostaram, e o que eu preciso melhorar nessa vida de vlog. Porque eu prometo que estou me dedicando, e vou procurar melhorar! beijo.

44 Comentários

Você também poderá gostar de:

Olá mulherada! 
O post de hoje nasceu de muuuuita especulação. Como são as manicures nos Estados Unidos? Elas tiram a cutícula? Mandam bem sim ou não? 

 

 
Depois de ouvir tanta gente comentar e questionar como era o processo por aqui, resolvi contar para vocês como é no salão que eu frequento. Já adianto, que como eu moro numa ilha de New York, pode ser que seja diferente de New York City ou qualquer outra parte do país. Eu frequento o mesmo salão toda semana, então não sei sobre o processo em outros lugares. Mas ja mata um tantinho da curiosidade, não é mesmo?
 
Bom, o lugar que eu sempre vou fazer as minhas patinhas só faz unhas. Ou seja, não tem cabelereira e nem aquele cheiro insuportável de química capilar. Deve ter salões como os que tem no Brasil, que faz de tudo um pouco, mas eu ainda não conheço mimimi.
 
Vem comigo conhecer o espaço!
Durante o processo, nada fora do comum. O pé fica de molho em um produto cheirosinho, elas lixam o pé, empurram a cutícula e….
Simmm!!! Elas tiram a cutículaaaaaaa!
Eu sempre ouvi dizer que manicure era ruim por aqui, porque não tirava a cutícula como as brasileiras. Mas dalhe, dalhe, o mito acabou ahahaha. 
Como eu não tenho muita cutícula, não tiro toda semana. Só uma vez a cada quinze dias e olhe lá. O que eu reparei é que durante o processo de limpeza elas são extremamente cuidadosas. A desvantagem, é que aqui elas fazem dois modelos de “pintura”: uma cor só ou no máximo francesinha. 
 
Para unhas mais elaboradas, quem faz é a dona do salão, a Suzie, e as unhas são feitas em gel.
Eu nunca fiz, então não sei o processo, mas aquele lance de florzinha, oncinha e películas de todos os jeitos, esquece viu? Perguntei, e não tem não 🙁  
Sobre as mãos, eu não podia ficar tirando foto enquanto a mulher fazia, né?
Mas, o processo é igual, tiram a cutícula também, mas ai pausa.
Ela pega um creme, passa na sua mão e coloca um pano quente. Você tem que ficar com as mãos juntas, o pano cobrindo e ai ela te faz massagem. Sim, massagem! Afasta seus cabelos e fica por volta de cinco minutos cuidando os seus ombrinhos. Isso eu achei demais, sério.
 
Mas, como nem tudo são flores, depois de pintar as patinhas você fica de castigo mais ou menos 10 minutos na máquina de secar esmalte.
 
Considerações finais:
 
Neste lugar são todas asiáticas. Desde a dona até as manicures. Eu acredito que a maioria dos salões aqui devem ser assim.
É fato que preciso conhecer outros lugares.
E se tem alguém que deve ganhar muito dinheiro aqui, é manicure brasileira. 
 
Preço?
Eu não sei o preço avulso, mas mão e pé (ambos francesinha) com gorjeta saiu por $45 obamas.
Se você optar por apenas uma cor, é um preço, mas se a sua opção for francesinha, tem custo adicional. 
Mataram a curiosidade? Espero que sim, me contem as experiências de vocês com manicures! (No Brasil ou em outros países). 
28 Comentários

Você também poderá gostar de:

Ola pessoal! Hoje vim contar para vocês um assunto que foi muito muito muito pedido. Mas, eu optei por falar dele apenas agora, depois de um tempo por aqui, para contar para vocês as diferenças entre Brasil e Eua que vão muito alem dos impostos e preços, que o top list. 
Antes de vir para os EUA eu pensava que o ar/clima era Tao diferente que assim que eu estivesse fora do aeroporto e fosse  respirar pela primeira vez, ia ate doer. Tapada, é só outro pais, não e’ a lua! Anyway, bobeiras a parte, quando sai do aeroporto estava muito muito muito frio mesmo. Mas não aquelas coisa de meu Deus não consigo respirar. 
CASAS: Uma coisa super perceptível são as casas. Aqui é muito difícil você ver uma casa com portão. Geralmente são aberta com quintais enormes. E se eles trancam? Dificilmente. As vezes saem e deixam as portas abertas. Quando eu soube disso fiquei: CUMA??? NÃO VÃO ROUBAR? er.. não.. PODE acontecer, mas bem difícil. Porem, eu, como brasileira e neurótica, verifico a porta e a janela antes de dormir. Pra que dar chance pro azar ne?
 
Aqui os carros também ficam fora da garagem. Na real, a garagem só serve para guardar qualquer coisa menos carro. Ninguém rouba, risca, nem fura pneu. Isso não é só em casa, nas lojas de carros, eles também ficam no pátio, como Ford, Nissan, etc.
FRIO: uma coisa que todo mundo pensa é que o frio aqui é insuportável. Claro que é bem mais frio, afinal, Brasil é um pais tropical e essas coisas, mas, só se sente frio na rua. Ou seja, O Brasil é bem pior quando se fala se frio, porque nos EUA as casas são preparadas para isso. Digo, não são feitas de alvenaria (tijolo). São de madeira e com todos os equipamentos para deixar a casa aquecida, torneiras quentes e quebrar a entrada de vento. Mas Larissa, a madeira da casa não fica gelada? Não. Não sei da parte física e quimica dessas maquinas, só sei que dentro de casa é short e regada, com  -14 la fora. 
 
BEBIDAS: você só pode consumir bebida com 21 anos ou mais. Ah, mas Larissa, eu sou Brasileira e no Brasil pode com 18. E DAI AI COLEGA? Territorio americano, regras americanas.
Mais curiosidades…

SOBRE DIRIGIR: uma coisa bizarra é que você pode dirigir com 16 e votar só com 18. Já no Brasil você dirige com 18 e vota com 16. Oi ?
 
EDUCAÇÃO: se alguém passa do seu lado, num corredor estreito por exemplo, mesmo que não te atrapalhe, eles pedem desculpa.
Isso foi bem estranho no comeco. Tudo e’ “sorry”. 
 
Outra coisa. Sabe esse lance de passar na frente de homem e ele soltar um GOSTOOOOSA, sem pudor algum? Aqui não existe essa! As mulheres são super respeitadas. Boatos que em festas elas soltam a franga, são A LOUCA, piores do que brasileiras, e usam calcinhas bem menores e escandalosas, mas, na rua, nenhum homem mexe. E se mexer, pode dar problema! Abraçar, beijar, e ficar de putaria na rua, também não é legal. Pode dar uma multa nada barata.
 
POLICIAIS: aqui existem muito menos policiais do que no Brasil, e muito menos crimes também. Em números, são aproximadamente 38 mil policiais nos EUA e 94 mil no Brasil. (VALEU GOOGLE). Sendo que a maioria deles estão nas ruas. Outra coisa, e’ que aqui não tem tanta hierarquia como no Brasil. Mas Larissa, nos EUA tem louco que entra em aeroporto e escola e mata 50 de uma vez. Gente! Excecoes devem ser tratadas como excecoes. No Brasil, um tempo atrás, não teve aquele atentado em Realengo-RJ? Esses tipos de pessoas tem transtornos psicológicos, agora, o cara que te assalta a luz do dia, não tem transtorno nenhum não. E’ bandido mesmo!
 
HOMENS AMERICANOS: como disse ali em cima, os homens americanos respeitam muito as mulheres. Alias, é da cultura dos americanos ajudar as mulheres em casa. Claro que não é 100% da população masculina, mas achar um homem que ajude em casa por aqui é muito mais fácil do que no Brasil. Americanos respeitam muito as tradições e são muito família. Churrasco no Verão, com amigos? Não! Um, dois no máximo, sim, mas de preferência, só a família. 

MULHERES AMERICANAS: em geral as americanas são bem tranquilas quando o assunto é estilo. No Brasil por exemplo, se vocêefor em um shopping em SP, encontra pessoas arrumadinhas, outras bem mais produzidas, e outras de boa, porem, bonitas. No shopping daqui não é muito difícil encontrar mulheres de pijamas, moletons e uma botinha chamada Ugg que gente, é muito feia hahahaahhahaaha. 

EMPREGO: aqui, funções como artesanato, cabelereira, manicure, ou profissões que precisam lidar com técnica e talento são muito mais valorizadas. Um atentende de posto, por exemplo, trabalhando 5 horas por dia, pode faturar 1000,00 dólares mensal facilmente. Imagine profissões valorizadas? Esses empregos, no posto por exemplo, são para adolescente, geralmente, que estão começando. Aqui, eles recebem por semana, e não por mes.
 
GORJETA: esse é um assunto complicado e que eu fiquei de cara quando notei. Todo mundo sabe que americano não tem costume de cozinhar em casa, certo? Ou seja, tudo que for congelado, microondas ou restaurante, eles amam! Pois e’. Aqui, tem gorjeta PRA TUDO. E se você é obrigado a dar? Não, não é, mas é MUITO feio não dar gorjeta. Ou seja, ta na cultura americana, dar a tal da gorjeta.
E como calcula?
Todos os recibos de compras vem destacado quanto você esta pagando para o governo. (o que é bem legal porque você sabe pra onde seu dinheiro ta indo!). Se por exemplo, você pagou 3,00 dólares a mais de taxa para governo, você pega essa taxa e duplica. Voila: 6 dólares de gorjeta!
Eu amo muito o Brasil, e esse post não é para falar das coisas boas que temos ai, e sim da diferença.
Descobri que sou metade americana e metade brasileira, porque consigo apreciar e ver a parte boa/ruim dos dois lugares. Acredito que o Brasil tem muito a melhorar ainda, mas por hora, escolhi EUA como meu futuro lar, já que me sinto tão bem quanto no Brasil. A parte de custo de vida influencia muito também. 
Existem muitas outras diferenças e curiosidades entre os dois paises, e que assim que eu descobrir, conto para vocês. Especialmente sobre festas (chega logo 21) (triste) . 
13 Comentários

Você também poderá gostar de: